Quando falamos de saúde óssea e do combate à osteoporose, a maior parte das pessoas acredita que a melhor solução para terem uns ossos fortes é tomar suplementos de cálcio.

No entanto, de acordo com as conclusões do estudo europeu EPIC (European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition), que seguiu a 24.000 indivíduos durante 11 anos, os indivíduos que tomam suplementos de cálcio são 86% mais propensos a sofrer um ataque cardíaco, que aqueles que não tomam cálcio. Dados que dão que pensar.

Para lá dos suplementos 

Para além de ser um dos principais países produtores e consumidores de chá, a India é um país existe uma elevada prevalência de osteoporose, particularmente entre as mulheres com mais de 50 anos. 

Num estudo piloto, realizado neste país e publicado no ano 2010, os investigadores concluíram que as mulheres que bebiam mais chá eram mais propensas a fraturas de anca, um problema comum em pacientes com osteoporose. 

Infelizmente, estes resultados, tomados em conjunto com a crença, infundada, de que a cafeina enfraquece os ossos, conduziram alguns profissionais médicos a aconselhar as suas pacientes a não consumir chá. Uma decisão pouco sábia.

Estudos realizados com mais rigor e amostras populacionais muito mais relevantes, já tinham chegado à conclusão de que o chá ajuda a manter a saúde óssea. Por exemplo, um estudo realizado na Austrália, que envolveu 1500 mulheres entre os 70 e os 85 anos, durante 4 anos, concluiu que as pessoas que bebem chá conseguem manter uma densidade óssea 2,5 vezes superior à dos não bebedores de chá.

Porque que é o chá pode ajudar a manter a densidade óssea? 

De acordo com um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition, os polifenóis presentes no chá verde promovem a formação óssea e protegem a matriz do osso contra a desintegração característica da idade. 

Aliás, de acordo com um estudo realizado na Universidade de Munique, as catequinas presentes no chá verde são inclusivamente capazes de proteger os osteoblastos – as células que dão origem aos ossos – frente a possíveis danos causados pelo tabaco. 

Com o objetivo de entender estes mecanismos em maior profundidade, pesquisadores da Universidade Chinesa de Hong Kong realizaram estudos in vitro, para estudar as ações bioquímicas do chá. Chegaram à conclusão de que existe uma relação inversa entre a quantidade de lípidos na medula óssea e a densidade dos nossos ossos.

Nesse sentido, à medida que envelhecemos, a tendência é um aumento de lípidos na medula e uma diminuição da densidade óssea. As catequinas presentes no chá ajudam a diminuir a concentração de lípidos e contribuem assim a manter a saúde óssea. 

Qualidade acima de tudo

No estudo de Hong Kong, os cientistas descobriram que a epigalocatequina, uma das principais catequinas do chá, era a principal responsável pela manutenção da saúde óssea.

Este composto está presente na maioria dos chás, mas é muito mais abundante nos chás verdes ou brancos. 

É, no entanto, uma molécula delicada, que facilmente se oxida quando em contacto com o ar. De aí que seja importante comprar chás que tenham sido bem processados e armazenados, onde se distingam as folhas inteiras, e mantê-los ao abrigo do ar e da luz.