Benefícios do Chá Preto

O Chá Preto ajuda nas seguintes doenças / problemas:

Origem do Chá Preto

O mais clássico e conhecido de todos os chás, distingue-se de outras variedades por ser um produto fermentado. Originário da China, este chá conheceu o seu momento de glória durante os seculos XVIII e XIX, graças ao enorme sucesso que teve na sociedade europeia.

A produção de chá preto na China era trabalhosa e pouco abundante, e durante o século XVII diferentes qualidades e tipos de chás eram classificados pelos europeus como chás pretos. O aumento da procura potenciou o desenvolvimento de um sistema industrial de produção, que permitiu a criação de enormes plantações em diversos países.

Assam, na India, foi uma dessas primeiras mega-plantações e ainda hoje produz um dos melhores chás pretos do mundo. Um produto que não existia como tal até à industrialização do processo de fabrico. À medida que os países europeus colonizavam o mundo, a Camellia sinensis expandia-se pelo globo, para manter abastecido um mercado milionário.

Ao contrário do que acontece no caso dos chás brancos ou verdes, feitos a partir de folhas concretas dos rebentos da planta, na produção de esta variedade podem-se usar vários tipos de folhas, que são submetidas a um processo que altera a sua constituição e lhes dá a característica cor escura.

Para conseguir este efeito, depois da colheita, as folhas são secas e enroladas. Esta manipulação destrói as paredes celulares e liberta enzimas, que oxidam os componentes bioquímicos da planta, especialmente os polifenois (grupo químico que engloba a todos os antioxidantes presentes no chá).

As duas únicas plantações com fins industriais na Europa produzem vários tipos de chá preto e encontram-se na Ilha de S. Miguel, nos Açores. Chamam-se Fabrica de Chás Gorreana e Chás Porto Formoso.

Quem pode beber?

Além de um sabor bastante mais forte, este tipo de chá tem uma concentração de cafeína e teína mais elevada que outras variedades. Pessoas susceptiveis aos efeitos estimulantes destas moléculas, devem evitar bebê-lo a partir do fim da tarde, para não prejudicarem o sono.

É de salientar que o chá preto pode interferir com a absorção de ferro pelo organismo, por isso não se recomenda o seu consumo por mulheres grávidas ou pacientes com anemia.

Qual a dose ideal?

Não existem recomendações concretas sobre a dose mais saudável de chá preto, já que poucos estudos se dedicam a investigar os seus efeitos na saúde. Como com a maioria dos chás, só quem seja sensível à cafeína deve preocupar-se com possíveis efeitos secundários (dores de cabeça, nervosismo o insónias).

No entanto, contra a crença popular, é importante salientar que o chá preto não é a variedade que contém mais cafeína.

A concentração desta molécula depende de muitos factores. No caso dos chás pretos, os de origem africana são mais potentes que os asiáticos. Isto deve-se à juventude das plantas utilizadas para a produção, capazes de produzir mais cafeína que os exemplares ancestrais usados em muitas plantações asiáticas, mas também à variedade plantada. Em Africa é comum uma espécie de camelia (a Camellia assamica) cujas folhas têm uma maior concentração de cafeína.

Como prepará-lo?

Não há mistérios na preparação de um chá preto. Para preparar uma chávena de 150 ml deve usar 3 gramas de folhas de chá e água a ferver. Para não prejudicar o sabor, junte as folhas de chá à água, e não o contrario. Espere 5 minutos.

Recomenda-se que, uma vez passado o tempo de infusão, se retirem as folhas de chá. Esta operação é necessária para evitar que a bebida fique demasiado forte e ganhe um sabor desagradável.

Há um horário adequado para consumi-lo?

Pelo teor em cafeína e efeito estimulante o chá preto é ideal para beber durante a manhã.

Em geral, não se deve consumir imediatamente depois das refeições, para evitar interferências com a absorção do ferro dos alimentos, especialmente se as suas principais fontes são os lacticínios ou as verduras.

Benefícios do chá preto para a Saúde

Quando se oxidam as folhas de chá, as catequinas, responsáveis por muitas das propriedades benéficas do chá, convertem-se noutros químicos, chamados teaflavinas, teobrominas e tearubiginas. Estas moléculas, conhecidas como taninos e responsáveis pela cor mais escura das infusões, também são antioxidantes. No entanto, os seus efeitos no corpo humano estão menos estudados.

  • Em laboratório, as catequinas e as teaflavinas são igualmente eficazes a combater os radicais livres. Alguns estudos indicam que o seu consumo pode ser útil para prevenir a diabetes e as doenças cardiovasculares.
  • Muito menos estudadas são as teobrominas, apesar de existirem indicações de que possam ser úteis para controlar o colesterol.
  • As potencialidades das tearubiginas nunca foram investigadas isoladamente, apesar destas moléculas constituírem 70% de todos os polifenóis presentes neste chá. Alguns dados indicam que podem ser uteis para tratar e prevenir o cancro.
  • Estudos realizados sobre as sinergias entre estas moléculas, revelam que são capazes de ajudar a combater a leucemia, ao impedir a multiplicação e crescimento das células doentes.
  • Apesar da oxidação, as catequinas representam cerca de 11% de todos os polifenóis desta bebida. Uma quantidade interessante, mas que não se pode comparar com as concentrações disponíveis no chá verde ou branco.
  • Independentemente do poder antioxidante, investigações realizadas em Inglaterra confirmam que a interação entre a cafeína e o aminoácido L-teanina, ambos presentes em importantes quantidades no chá preto, estimula o desempenho cognitivo através de uma melhoria na capacidade de atenção e concentração.
  • Para além disso, é um excelente diurético, tal como todas as outras variedades.
  • Principais dicas sobre o chá preto